• 64 99927 3817
anuncie

16 de abril de 2020

EM GOIÁS, 70% DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DEVEM SER RETOMADAS; TENDÊNCIA É QUE BARES E RESTAURANTES TAMBÉM ABRAM AS PORTAS, MAS COM RESTRIÇÕES

Nos últimos dias, esse foi o cenário da avenida 20 de agosto, principal avenida comercial no centro de Catalão. Foto: Drone Super Catalão/Reprodução

De acordo com matéria publicada pela jornalista Fabiana Pulcineli, Jornal O Popular, na edição dessa quinta-feira (16), o Estado de Goiás deverá ter a retomada de 70% das atividades econômicas. Isso já na próxima segunda-feira, 20 de abril, com permissões concedidas por meio de um novo decreto do governador Ronaldo Caiado (DEM), que deverá ser publicado nas próximas horas. Leia abaixo o que traz na matéria:

GOIÁS DEVE PERMITIR RETOMADA DE 70% DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS 

Com encerramento do decreto de isolamento social por conta da crise do coronavírus no dia 19, o governo de Goiás tende permitir o retorno de cerca de 70% das atividades econômicas no Estado. Shoppings não devem ter permissão de reabrir, mas a maioria do comércio deve voltar a funcionar. A tendência é que restaurantes e bares voltem a abrir as portas, com ativação da metade da capacidade de atendimento.

São informações de bastidores da cúpula do governo. Sob forte pressão de empresários e do setor produtivo, o governador Ronaldo Caiado (DEM) teve reunião nesta quarta-feira (15) com o gabinete de crise para delinear os principais pontos do novo decreto.

Escolas devem seguir em paralisação pelo menos até o dia 30 de abril, como já havia recomendado a Secretaria Estadual de Saúde (SES). Igrejas, shows e jogos de futebol dificilmente terão autorização para voltar.

Há forte pressão também para reabertura do comércio da 44 (Goiânia), mas o governo considera difícil autorizar. Se permitir, serão proibidos ônibus de excursão. Indústria e construção civil terão retomadas, seguindo protocolos de cuidados no combate ao vírus.

No caso do funcionalismo público, a tendência é que não haja cancelamento completo do home office. Os órgãos deviam avaliar possibilidades de rodízios e manutenção de trabalho onde for possível.

 

Escrito por: Badiinho Filho/Com informações do O Popular