• 64 99927 3817
anuncie

13 de janeiro de 2020

MENINA QUE CAIU DE TOBOÁGUA EM CATALÃO ESTÁ EM COMA INDUZIDO NO HUGOL, EM GOIÂNIA

L. sofreu um grave traumatismo craniano, teve hemorragia e agora está em coma induzido. Foto: Reprodução/Arquivo da Família

L.T.A, a menina de 5 anos que caiu do toboágua no Clube Recreio Colonial, em Catalão, na tarde deste sábado (11), continua internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (HUGOL). A garota, que sofreu um grave traumatismo craniano, está em coma induzido. Apesar de ter sofrido uma hemorragia, seu estado de saúde é considerado estável. A família tem esperança que o inchaço no cérebro de L. ceda nas próximas horas.

De acordo com a tia, Ludmila Tavares Arruda, filha do fotógrafo Zaga, muito conhecido em Catalão, L. estava no clube na companhia da mãe, Arlene, de 27 anos. “Foi tudo muito rápido. Minha cunhada estava com o filho Gabriel, um bebê, nos braços, e a L. pediu para ir ao banheiro. Minha sobrinha nem gosta de entrar na água, por isso todo mundo ficou surpreso quando avisaram que era ela.” L. caiu de uma altura de 5 metros e recebeu os primeiros atendimentos de uma equipe do Corpo de Bombeiros.

O Clube Recreio Colonial pertence ao Catalão Futebol Clube, agremiação esportiva criada em 1955. O clube é bastante tradicional e sede de vários eventos na cidade. Ludmila disse a equipe de reportagem do Jornal O Popular que sua família frequenta o clube há muitos anos e antes sempre havia uma pessoa no alto do toboágua controlando o número de crianças. “Tinha muitas crianças lá em cima, sem nenhum controle. Embaixo tinha uma pessoa que teria que fazer esse trabalho, mas o tempo todo no celular”, contou.

Zaga, avô da menina, que é sócio antigo do clube, está tentando obter imagens de câmeras de monitoramento para entender o que aconteceu. “Ainda não conseguimos.” A família não fez nenhum registro policial sobre o caso, “esperando a poeira baixar”. A direção do clube ainda não se manifestou sobre o caso.

Ludmila disse que até o momento o clube sequer ligou para a família para saber qual é o estado de saúde de L. “Estou revezando com minha irmã no hospital, tendo um gasto de R$ 100 reais por dia com transporte. Uma despesa que não estava na nossa previsão. Até agora ninguém nos procurou para saber se estamos precisando de algo”, disse a tia da menina.

L. caiu de uma altura de 5 metros de altura e recebeu os primeiros atendimentos de uma equipe do Corpo de Bombeiros. Foto: Facebook/Reprodução

Escrito por: Redação/O Popular