• 64 99927 3817
anuncie

3 de dezembro de 2019

CATALANOS SENTEM NO DIA A DIA A DISPARADA NO PREÇO DA CARNE; AUMENTO NOS PREÇOS ESTÁ PROVOCANDO QUEDA NAS VENDAS

Consumidores e estabelicmentos comerciais de Catalão estão sentido a disparada no preço da carne. Foto: TV Sucesso/Reprodução

Reportagem do Balanço Geral da TV Sucesso Catalão, emissora afiliada da Rede Record, veiculada ontem, segunda-feira (02/12), mostra tanto os consumidores quanto os comerciantes, estão sentido a disparada no preço da carne.

Na reportagem feita em um grande supermercado do bairro São João, mostra o freezer cheio, imagem não muito comum no fim do dia, e o que está provocando cenas como a que foi registrada pela TV Sucesso, e o problema é que o preço da carne disparou e em consequência disso, provou quedas nos estabelecimentos comerciais.

Em dos açougues visitados pela equipe de reportagem do Balanço Geral, o aumento no preço da carne foi de 34%. O preço do frango também sofreu reajuste, e o quilo que a poucos dias custava R$ 4,50, passou para R$ 5,25.

Economista da Universidade Federal de Catalão (UFCAT), Sílvia Parreira Túnnes. Foto: TV Sucesso/Reprodução

“O que acontece! O pessoal acaba deixando de vender, e um exemplo clássico chama-se Friboi, a qual deixou de vender para os supermercados aqui da região, para poder exportar, porque ele ganhará bem mais exportando, do que vendendo aqui no Brasil. Então, com isso, ficou um pouco do gado para os frigoríficos da região, os quais não comportam a capacidade que a gente tem de consumo no Brasil, e por isso, devido a falta do gado, tivemos o aumento significativo para a população”, explicou a gerente de do estabelecimento.

E quem mais está sentido essa disparada do preço da carne, é o consumidor. “Pela atual conjuntura dos brasileiros, com salário defasado que nós estamos, é um aumento desproporcional”, disse um dos consumidores entrevistados.

Segundo a economista da Universidade Federal de Catalão (UFCAT), Sílvia Parreira Tannús, três fatores favoreceram para o aumento do preço da carne.

“O primeiro deles sem dúvida nenhuma a questão das exportações para a China, país este que acometida por um problema sanitário, e a maior fonte de proteína deles ficou comprometida, então a demanda tem aumentado bastante, e isso faz com o que o nosso comércio se desvie para lá. O segundo problema é a estiagem prolongada que a gente teve durante o ano, e então demoramos bastante tempo para terminar esses bois que normalmente são criados a pasto, e isso faz com que encareça. O terceiro, é a questão da própria formação de preço da carne no mercado internacional. Nós temos três anos que a carne praticamente não sofre alterações de preço, então existe uma correção desse período que não houve alterações nesse preço”, disse a Sílvia Túnnes ao repórter Gustavo Marinho.

A economista lembra que a estiagem também pode causar o aumento dos preços. “O que precisamos preocupar daqui para frente, é se as nossas chuvas vão ajudar para não piorar, pois a matéria prima para engordar os bois, bem como qualquer outro tipo de animal, pode ser comprometido pela escassez de chuva agora, e talvez, a gente tenha esse aumento de preços sendo estendido para todas as proteínas, inclusive para os ovos”, destacou a economista da UFCAT, Sílvia Parreira Túnnes.

Para o Ministério da Agricultura, esse é um momento de ajuste da carne brasileira, e aos poucos o mercado vai se equilibrar, porém, os preços não serão os mesmos praticados há dois meses.

“Com o tempo esses preços voltam a se acomodar naturalmente. Para as proteínas de ciclo mais curto, como frango, ovos e suínos, nós temos um ajuste mais rápido. Para os bovinos, cujo o ciclo é maior, a gente pode ter um ajuste mais demorado.

Escrito por: Badiinho Filho/Com informações TV Sucesso Catalão