• 64 99927 3817
anuncie

21 de outubro de 2019

POSSIBILIDADE DE RACHADURAS EM BARRAGEM DE REJEITOS DE MINERADORA EM CATALÃO, GERA DÚVIDAS E MEDO EM TRABALHADORES E EM SEUS FAMILIARES

Um post feito no Facebook de um blogueiro de Catalão, Thiago Ferreira da Silva (Blog Diante do Fato), o qual revelou a denúncia de possíveis rachaduras na represa de rejeitos da mineradora Niobras, a qual pertence a chinesa CMOC International Brasil, levantou o tema dos riscos das barragens de rejeitos a montantes, utilizadas pelas empresas do setor mineral de Catalão, igual as de Mariana e Brumadinho-MG, que se romperam e provocaram além de estragos catastróficos ambientais, centenas de mortes de trabalhadores das mineradoras e moradores que moravam próximos as barragens.

O post doblogueiro foi feito ontem a noite, domingo (20/10), às 23h, e até o momento não provocou nenhum posicionamento da empresa citada nele.

Foto: Reprodução


Leia o post feito pelo blogueiro:

Trabalhadores denunciam rachaduras em barragem de rejeito da Mineradora Niobras.

Uma barragem de rejeito da Niobras Mineração, subsidiária da CMOC Brasil localizada no município de Ouvidor   apresentou rachaduras, segundo informações, está ocorrendo um possível vazamento.  Segundo funcionários, tem escritório, refeitório e várias pessoas que trabalham no local. Funcionários que trabalham na área de risco próximo a barragem iram   ficar em casa recebendo normalmente e outros serão deslocados para outras áreas   durante 15 dias. Outra informações, já foram criadas rotas de fulga, nas fazenda próximo ao local. 

A Niobrás é a segunda maior produtora de nióbio do mundo, sendo responsável pela extração do mineral a partir da mina em Catalão e, posteriormente, o nióbio segue para a usina de beneficiamento em Ouvidor. De acordo com Plano de Ações Emergenciais da empresa, em caso de rompimento das barragens, a onda de rejeitos atingirá o vale à jusante das barragens, local onde se situa um córrego, até a confluência com o Rio São Marcos, totalizando aproximadamente 22 quilômetros de curso de água.

Estamos colhendo maiores detalhes junto a empresa, em breve mais detalhes.

Foto: Facebook/Reprodução

 

MINISTÉRIO PÚBLICO E MINERADORAS

Promotor de Justiça do Meio Ambiente, Dr. Roni Alvacir Vargas, concedeu entrevista coletiva na sede do Ministério Público de Catalão no dia 1º de fevereiro. Foto: Arquivo – Blog do Badiinho

Em meio a grande repercussão do maior desastre ambiental ocorrido em Brumadinho-MG logo nos primeiros dias de 2019, onde houve o rompimento de uma barragem de rejeitos da mineradora Vale, a qual causou um grande estrado ambiental e o pior de tudo, centenas de mortes, o Promotor do Meio Ambiente do Ministério Público de Catalão, Dr. Roni Alvacir Vargas, convocou alguns membros da imprensa catalana para uma entrevista coletiva, a qual, o Blog do Badiinho esteve presente.

Na entrevista, o Promotor de Justiça esclareceu das ações impostas pelo Ministério Público às empresas de mineração instaladas em Catalão.  Na entrevista, o Promotor afirmou que em caso de eventual rompimento de alguma dessas barragens, nenhuma cidade seria atingida, porém, existem comunidades rurais que seriam atingidas pela lama.

“Eu recomendo (pessoas das comunidades), o máximo de atenção e que fiquem alertas”, alertou o Promotor de Justiça, alertando que o ideal é que cada morador planeje seu próprio plano de fuga, caso aconteça algum rompimento de barragem. (Clique aqui e releia a entrevista).

EM ABRIL DESTE ANO, MP DE CATALÃO PEDIU ESVAZIAMENTO DAS BARRAGENS DE REJEITOS DE DUAS MINERADORAS DE CATALÃO

Em abril deste ano, o Ministério Público local, por meio ação, pediu que as mineradoras Mosaic Fertilizantes P&K Ltda e Copebrás Indústria Ltda para que promovam o descomissionamento (desativação) das barragens mantidas pelas duas empresas, com rejeitos advindos da extração de rocha fosfatada para a fabricação de fertilizantes. Na mesa ação, também foi pedido que fossem adotadas todas as medidas preventivas para não causar danos ao meio ambiente e à vida humana. (Clique aqui e releia a matéria).

AGÊNCIA NACIONAL DE MINIRAÇÃO INTERDITOU BARRAGEM EM CATALÃO

Em abril deste ano, Agência Nacional de Mineração (ANM), determinou a interdição de 50 barragens de rejeitos em todo o Brasil, e uma dessas barragens foi em Catalão, a qual pertence a mineradora Mosaic Fertilizantes, empresa responsável pela extração de fosfato. Segundo a ANM, com a interdição, essas empresas estão impedidas de jogar rejeitos nestas barragens. (Clique aqui e releia). 

Com a interdição, a produção da empresa mineradora chegou a ser paralisada por mais de 30 dias, cuja a liberação só veio a aconter no final de maio. (Clique e releia sobre o caso). 


OBSERVAÇÃO:
Espaço segue aberto para os posicionamentos do Ministério Público e da empresa Niobras, ambas citadas na matéria. 

 

 

Escrito por: Badiinho Filho