• 64 99927 3817
anuncie

15 de julho de 2019

EXALTADO POR BOLSONARO, POTENCIAL ECONÔMICO DO NIÓBIO É INCERTO

Pedaço de minério de nióbio. Mais de 90% do metal está localizado em reservas brasileiras. Foto: Reprodução/Internet 

Pontes e viadutos, cascos de navios, carrocerias de carros e turbinas de avião. Essas são algumas das estruturas que utilizam ferronióbio em ligas metálicas. O nióbio, famigerado metal que é exaltado pelo presidente Jair Bolsonaro desde a época de campanha eleitoral, é praticamente monopolizado pelo Brasil e tem 1 potencial alto na avaliação do presidente.

Mas, afinal, se ele é tão produtivo, por que o país não explora esse potencial econômico do nióbio? Primeiramente, pelo alto custo de operação demandado para a extração do metal.

Apesar do Brasil contar com 90% das reservas mundiais de nióbio –na Amazônia, em Goiás (Catalão) e Minas Gerais–, algumas são exploradas por outros países. Outras inclusive, continuam intocadas.

Se levarmos em conta a quantidade de depósitos de nióbio que o Brasil possui, a representação sobe para 98%. Os depósitos são reservas ainda não quantificadas ou comprovadas pelas autoridades. O Estado da Bahia, por exemplo, tem depósitos não explorados de nióbio. Contudo, por ainda estarem em fase de estudos, não são considerados reservas.

Além do Brasil, apenas Canadá e Austrália têm reservas quantificadas em seu território –cada 1 com 5% da produção mundial. A África é outro exemplo de local onde os depósitos mantêm-se não certificados.

De todo o metal vendido no mundo, 82,5% vêm do Brasil. No entanto, o país ainda produz menos da metade de sua capacidade. Além disso, 7,5% do que é extraído em solo brasileiro está em posse de uma subsidiária de uma empresa chinesa, a CMOC International Brasil.

Foto: Poder 360/Reprodução

Outro problema que trava o potencial econômico do nióbio é que outros metais são capazes de oferecer o mesmo benefício. Quase todo o ferronióbio é utilizado para pequenas adições –cerca de 0,05%– em ligas metálicas de outros materiais, como o aço.

Essa pequena quantia torna a estrutura mais maleável e flexível sem afetar sua durabilidade. O vanádio e o titânio são outros 2 metais que desempenham a mesma função. No entanto, são mais baratos e não são encontrados no Brasil.


BOLSONARO ENXERGA POTENCIAL

O presidente Jair Bolsonaro fez uma live em 27 de junho em Osaka, no Japão, onde estava para a reunião do G20. Na transmissão, o chefe do Executivo brasileiro exibiu algumas bijuterias feitas com o nióbio.

Segundo ele, uma peça custou US$ 1.000 –cerca de R$ 3.750, no câmbio atual (15.jul). Bolsonaro afirmou que se a mesma unidade fosse de ouro ela custaria aproximadamente R$ 3.000.

O presidente deve ter se referido a uma bijuteria folheada a ouro, já que o metal precioso tem 1 valor por quilo 840 vezes maior que o do nióbio. O ouro vale US$ 42.000/kg, enquanto o nióbio está avaliado em US$ 50/kg.

Bolsonaro exaltou ainda outras qualidade vistas por ele no material de nióbio. Um deles é a variação de cores e a ausência de propriedades que causam alergia.

“Temos aqui um pequeno cordãozinho. Ele é azul, mas tem de várias cores, de acordo com a têmpera do nióbio. A vantagem disso, em relação ao ouro, 1º são as cores, que variam, e ninguém tem reação alérgica a nióbio. Alguns têm a ouro. Às vezes a mãe põe 1 brinquinho na orelha da menina. Menina, para deixar bem claro. E tem reação. Disso aqui, não tem”, disse Bolsonaro.

Eis o vídeo da “propaganda” do nióbio por parte do presidente (54seg):

Escrito por: Redação/Poder 360