• 64 99927 3817
anuncie

8 de julho de 2019

EMPRESA DE TELEFONIA ESTÁ RETIRANDO TELEFONES ORELHÕES DAS RUAS DE CATALÃO

Foto: TV Anhanguera/Reprodução

Na semana passada a TV Anhanguera levou ao ar uma matéria, informando que a empresa de telefonia está retirando os telefones orelhões de Catalão. Segundo a reportagem, há 40 anos eram mais de 1,5 milhão de orelhões em todo o país, mas de 2002 para cá esse número começou a ser reduzido, tudo por conta do avanço da tecnologia com a modernização dos aparelhos celulares que hoje está repleto de facilidades para que as pessoas se comuniquem por meio de chamadas de áudios e vídeos e a troca de mensagens com envio de qualquer arquivo.

Segundo a administradora de telefonia de Catalão, nos últimos dois meses ao menos sete orelhões foram retirados das ruas da cidade. Em maio, eram 92 aparelhos, agora esse número caiu para 85.

Os aparelhos retirados estão sendo colocados em um depósito no Setor Universitário.

Apesar do grande avanço da tecnologia, em Catalão os usuários da telefonia móvel, sofrem constantemente com as oscilações no sinal dos celulares, e em determinados bairros, algumas operadoras como a TIM e a VIVO nem funcionam, como é o caso do Loteamento Estrela, onde somente a Claro detém de cobertura.

A Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), disse que devido os sinais das operadoras de telefonia móvel não funcionarem adequadamente, serão mantidos os orelhões em locais de grande movimentação, como postos de saúde, hospitais e terminais rodoviários.

Com relação as com relação as constantes reclamações dos moradores de Catalão com as empresas de telefonia móvel, a VIVO disse que trabalha para promover melhorias em toda a rede do município, afirmando ainda que estão previstas ações de ampliação de capacidade da rede para aprimorar os serviços oferecidos. A operadora Claro afirmou que trabalha e realiza investimentos constantes para garantir a eficiência dos serviços prestados. Já as operadoras TIM e OI não se manifestaram a respeito.

Assista a reportagem abaixo: 

Escrito por: Badiinho Filho